top of page

Inventário: saiba como funciona de maneira simples e descomplicada


pessoas estudando
Saiba os principais detalhes sobre o processo de inventário

Compreender e lidar com o processo de inventário pode parecer complicado e demorado. No entanto, com este guia prático, você será capaz de desvendar as complexidades do inventário de maneira rápida e descomplicada.


Seja você um herdeiro lidando com a distribuição dos bens de um ente querido falecido ou um executor designado para administrar o processo, é essencial entender os passos envolvidos para garantir que tudo seja realizado de forma correta e eficiente.


Neste texto, abordaremos desde a nomeação de um inventariante até a partilha dos bens entre os herdeiros, passando por aspectos como a avaliação dos bens, pagamento de impostos e prestação de contas. Também discutiremos quais documentos e informações são necessários para dar início ao processo.


Portanto, se você está enfrentando o desafio do inventário, este guia prático fornecerá todas as informações e orientações necessárias para facilitar todo o processo, simplificando-o e permitindo que você lide com os trâmites de forma mais tranquila e eficaz.


logo de escritório
Araujo Rezende Gonçalves | Advocacia Imobiliária

O que é o processo de inventário?


Quando uma pessoa falece, seus bens e propriedades precisam ser distribuídos entre os herdeiros de acordo com a lei. O processo pelo qual isso ocorre é chamado de inventário. O inventário é uma etapa legal que visa identificar, avaliar e dividir os ativos do falecido de maneira justa e adequada.


Durante o processo de inventário, todos os bens, como imóveis, veículos, investimentos, contas bancárias e objetos de valor, são listados e avaliados. Além disso, todas as dívidas e obrigações do falecido também são levadas em consideração. O objetivo é calcular o valor total do patrimônio e então distribuí-lo entre os herdeiros de acordo com as regras estabelecidas pela lei.


Por que o inventário é importante?


O inventário é uma etapa crucial para garantir que a distribuição dos bens seja feita corretamente e de acordo com a lei. Além disso, o inventário também serve para proteger os interesses dos herdeiros, evitando disputas futuras e garantindo que todos tenham acesso justo à sua parte na herança.


Ao realizar um inventário adequado, os herdeiros podem evitar problemas legais e financeiros no futuro. Além disso, o inventário também é necessário para cumprir obrigações fiscais, como o pagamento de impostos sobre a herança.


Documentos necessários para o inventário


Para iniciar o processo de inventário, é necessário reunir uma série de documentos e informações relevantes. Esses documentos são essenciais para comprovar a existência e o valor dos bens do falecido, bem como para verificar suas obrigações e dívidas. Alguns dos documentos comumente solicitados durante o inventário incluem:


  • Certidão de óbito: documento oficial que comprova o falecimento da pessoa.

  • Certidões negativas de débitos: documentos que atestam a inexistência de dívidas ou pendências financeiras.

  • Documentos de propriedade: escrituras, contratos de compra e venda, registros de imóveis, etc.

  • Extratos bancários: comprovantes de contas bancárias do falecido. 1.Documentos de dívidas e obrigações: contratos de empréstimos, faturas de cartão de crédito, comprovantes de pagamento de impostos, etc.


Esses são apenas alguns exemplos dos documentos necessários para o inventário. É importante consultar um advogado especializado para obter uma lista completa e atualizada dos documentos exigidos em seu caso específico.


Processo de inventário passo a passo


O processo de inventário pode variar de acordo com as leis e regulamentações de cada país e até mesmo dentro de cada estado. No entanto, geralmente segue uma sequência de etapas semelhantes. A seguir, descreveremos um processo de inventário básico em etapas:


  • Nomeação de um executor: o primeiro passo é nomear um executor para administrar o processo de inventário. O executor pode ser uma pessoa específica designada pelo falecido em um testamento ou um profissional especializado.

  • Reunião de documentos: o próximo passo é reunir todos os documentos necessários, como mencionado anteriormente. Isso pode envolver a obtenção de certidões, extratos bancários, escrituras, entre outros.

  • Avaliação dos ativos: os bens do falecido devem ser avaliados para determinar seu valor. Isso pode exigir a contratação de um avaliador profissional para imóveis, veículos e outros bens de valor.

  • Pagamento de dívidas: antes de distribuir os ativos entre os herdeiros, é necessário pagar as dívidas pendentes do falecido. Isso inclui o pagamento de impostos, faturas e outras obrigações financeiras.

  • Divisão dos ativos: após o pagamento das dívidas, os ativos remanescentes são divididos entre os herdeiros de acordo com as regras estabelecidas pela lei. Isso pode ser feito através de um acordo entre os herdeiros ou por meio de uma decisão judicial.

  • Prestação de contas: ao final do processo de inventário, é necessário prestar contas de todas as transações e distribuições realizadas. Isso garante transparência e evita futuros problemas legais.


É importante ressaltar que o inventário pode ser um processo demorado e complexo, especialmente se houver disputas entre os herdeiros ou se os bens do falecido forem complicados de serem avaliados. Nesses casos, é altamente recomendável buscar a orientação de um advogado especializado.


Como calcular o valor dos ativos no inventário


Para determinar o valor dos ativos no inventário, é necessário realizar uma avaliação adequada. A avaliação pode ser feita de diferentes maneiras, dependendo do tipo de bem e das leis locais. Alguns dos métodos comumente utilizados incluem:


  • Avaliação de imóveis: imóveis podem ser avaliados por um avaliador profissional, que levará em consideração fatores como localização, tamanho, condição e valor de mercado.

  • Avaliação de veículos: veículos podem ser avaliados com base no valor de mercado atual de modelos semelhantes ou através de uma avaliação feita por uma empresa especializada.

  • Avaliação de investimentos: investimentos podem ser avaliados com base no valor de mercado atual ou com base em documentos que comprovem o valor do investimento.

  • Avaliação de objetos de valor: objetos de valor, como joias, obras de arte e antiguidades, podem ser avaliados com base em seu valor de mercado atual ou através de uma avaliação feita por um especialista.


É importante lembrar que a avaliação dos ativos deve ser imparcial e baseada em critérios objetivos. Para garantir uma avaliação justa e precisa, é recomendável contratar profissionais especializados em cada tipo de ativo, como avaliadores imobiliários, avaliadores de veículos, etc.


Quais os tipos de inventário? Saiba a diferença entre inventário judicial e extrajudicial


Existem duas formas principais de realizar o inventário: judicial e extrajudicial. A escolha entre essas duas opções dependerá das leis e regulamentações do país e do estado em que o processo está sendo realizado.


O inventário judicial é realizado através do sistema judicial, ou seja, envolve a intervenção de um juiz. Esse tipo de inventário é necessário quando há disputas entre os herdeiros, quando os bens do falecido são complexos ou quando há dúvidas sobre as regras de distribuição. O inventário judicial é geralmente mais demorado e pode envolver custos legais mais altos.


Já o inventário extrajudicial é realizado fora do sistema judicial, através de um cartório de notas. Esse tipo de inventário é mais simples e rápido, desde que não haja disputas entre os herdeiros. O inventário extrajudicial geralmente envolve menos custos legais e pode ser concluído em um prazo mais curto.


Fazer um inventário é caro?


O inventário é um processo que envolve custos e despesas, mas é indispensável, pois é a única maneira de transferir os bens de uma pessoa falecida para seus herdeiros.


Cada inventário é único e pode ter variações nos custos devido a situações específicas. No entanto, alguns custos são obrigatórios, como:


Imposto – ITCMD


Para transferir um bem, é necessário pagar o ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação). Esse imposto deve ser pago para que o patrimônio da pessoa falecida possa ser transferido para os herdeiros. O valor do ITCMD depende do valor do bem e varia de estado para estado, conforme regulado pela Secretaria da Fazenda de cada estado.


Custas Processuais


Estas se aplicam ao inventário judicial. Cada estado define os valores dos Emolumentos Judiciais, que são as taxas processuais que devem ser pagas.


Registros no Cartório


As taxas do cartório para registrar a transmissão das propriedades também são necessárias e devem ser arcadas pelos herdeiros.


Emolumentos de Cartório


No caso do inventário extrajudicial, há custos com a edição da escritura pública, que são progressivos e variam de acordo com o valor final do espólio.


Honorários Advocatícios


Independentemente do tipo de inventário, é necessário contratar um advogado e pagar seus honorários. O valor desses honorários pode variar conforme o profissional, mas cada seção estadual da OAB disponibiliza uma tabela com parâmetros gerais para a cobrança. Esse valor pode ser ajustado, dependendo das especificidades do seu caso.


Em resumo, o inventário é essencial para a transferência legal de bens, e estar ciente dos custos envolvidos ajuda a planejar e conduzir o processo de forma mais tranquila.



Qual o prazo para realizar um inventário?


Atualmente, o prazo para iniciar o inventário é de dois meses a partir da data do falecimento. Além disso, o inventário deve ser concluído dentro de 12 meses após sua abertura.


Se você não iniciar o inventário dentro do prazo estabelecido, poderá incorrer em uma multa. Da mesma forma, se o processo não for finalizado no período de 12 meses, poderá haver outra multa.


É importante ressaltar que esses prazos e penalidades visam garantir a agilidade e eficiência no processo de transferência de bens, evitando complicações legais e financeiras para os herdeiros. Além disso, respeitar esses prazos pode ajudar a evitar conflitos familiares e garantir que a distribuição dos bens ocorra de maneira justa e conforme a vontade do falecido.


Para assegurar que todos os prazos sejam cumpridos e que o processo de inventário seja conduzido de forma correta, é altamente recomendável contar com a orientação de um advogado especializado. Esse profissional pode ajudar a navegar pelas complexidades do processo, garantindo que todas as obrigações legais sejam atendidas e minimizando riscos de multas e outras penalidades.


Dicas para agilizar o processo de inventário


O processo de inventário pode ser demorado e complexo, mas existem algumas dicas que podem ajudar a tornar o processo mais ágil e eficiente. Aqui estão algumas sugestões:


  • Organize os documentos: mantenha todos os documentos necessários bem organizados e acessíveis. Isso facilitará o acesso às informações durante o processo de inventário.

  • Contrate profissionais especializados: contar com a ajuda de advogados, avaliadores e outros profissionais especializados pode agilizar o processo e garantir resultados mais precisos.

  • Comunique-se com os herdeiros: mantenha os herdeiros informados sobre o andamento do processo e incentive a colaboração de todos. Isso pode evitar conflitos e atrasos desnecessários.

  • Cumpra os prazos: respeite os prazos estabelecidos por lei para evitar penalidades e atrasos no processo de inventário.

  • Considere a mediação: se houver disputas entre os herdeiros, a mediação pode ser uma alternativa mais rápida e econômica do que o processo judicial tradicional.


O que fazer com as dívidas do falecido?


Inicialmente, é importante destacar que, quando o advogado inicia o processo de inventário, é realizado um levantamento das dívidas deixadas pelo falecido antes de dividir os bens entre os herdeiros.


Primeiro, todas as dívidas devem ser quitadas utilizando o patrimônio deixado pelo falecido. Serão usados tantos bens quanto forem necessários, até o limite do patrimônio, para garantir que os credores sejam pagos. Somente após a quitação das dívidas é que os bens restantes serão partilhados entre os herdeiros.


Vale ressaltar que as dívidas do falecido não excedem o valor do espólio, ou seja, os herdeiros não são obrigados a pagar as dívidas com seu próprio patrimônio, apenas com os bens deixados pelo falecido.


Posso vender os bens que estão sendo discutidos no inventário?


Sim, é possível vender os bens que estão sendo objeto do inventário em determinadas situações. Um exemplo é quando os herdeiros não têm condições financeiras para arcar com todos os custos do processo. Nesse caso, pode-se solicitar ao juiz autorização para vender um ou mais bens do espólio para cobrir essas despesas.


Outras situações em que a venda é permitida incluem a necessidade de pagar dívidas do falecido, custas processuais, impostos, atender a uma necessidade urgente dos herdeiros, ou evitar a deterioração de algum imóvel do espólio.


Conclusão


O processo de inventário pode ser desafiador, mas compreendê-lo e seguir as etapas corretamente pode torná-lo mais fácil e eficiente. Ao entender o que é o inventário, por que ele é importante e como realizar cada etapa, você estará mais preparado para lidar com esse processo.


Lembre-se de que o inventário pode variar dependendo das leis e regulamentações locais, portanto, é sempre recomendável buscar a orientação de um advogado especializado. Com a ajuda adequada e o conhecimento necessário, você poderá administrar o inventário de forma eficiente e garantir que todos os herdeiros recebam sua parte justa da herança. Caso precise de ajuda ou esteja com alguma dúvida sobre o tema, basta clicar no link abaixo para ser direcionado a um de nossos advogados especialistas.




Comments


bottom of page